Ressonância magnética da hipófise

Esta galeria de fotos apresenta a anatomia da glândula pituitária, por meio de ressonância magnética (coronais ponderadas em T2, vistas sagital e coronal em T1).

Cortes coronais em T2
Cortes coronais ponderadas em T1, sem e depois injeção de contraste iodado
Cortes sagitais ponderadas em T1, sem e depois injeção de contraste iodado

Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T2s. Image 1.    1, Seio esfenoidal 2, Processo clinóide anterior. 3, Ventrículo lateral. 4, Artéria cerebral anterior. 5, Nervo óptico.
hypophyse-coronal-t2.0001_fs
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T2. Image 1.    1, Seio esfenoidal. 2, Processo clinóide anterior. 3, Ventrículo lateral. 4, Artéria cerebral anterior. 5, Nervo óptico.
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T2. Image 2.    1, Seio esfenoidal 2, Lobo temporal. 3, Processo clinóide anterior. 4, Ventrículo lateral. 5, Artéria cerebral anterior. 6, Nervo óptico.
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T2. Image 3.    1, Seio esfenoidal 2, Artéria carótida interna. 3, Lobo temporal. 4, Artéria cerebral média. 5, Ventrículo lateral. 6, Septo pelúcido. 7, Artéria cerebral anterior. 8, Nervo óptico. 9, Processo clinóide anterior.
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T2. Image 4.    1, Nasofaringe. 2, Seio esfenoidal 3, Artéria carótida interna. 4, Quiasma óptico. 5, Ventrículo lateral. 6, Artéria cerebral anterior. 7, Artéria cerebral média. 8, Lobo temporal.
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T2. Image 5.    1, Seio esfenoidal 2, Artéria carótida interna. 3, Artéria cerebral média. 4, Artéria cerebral anterior. 5, Septo pelúcido. 6, Quiasma óptico. 7, Glândula pituitária.
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T2. Image 6.    1, Glândula pituitária. 2, Infudibulum. 3, Quiasma óptico. 4, Ventrículo lateral. 5, Artéria cerebral anterior. 6, Artéria cerebral média. 7, Seio esfenoidal.
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T2. Image 7.    1, Nasofaringe. 2, Seio esfenoidal. 3, Glândula pituitária. 4, Trato óptico. 5, Ventrículo lateral.
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T2. Image 8.   1, Nasofaringe. 2, Glândula pituitária. 3, Trato óptico. 4, Terceiro ventrículo. 5, Ventrículo lateral.
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T2. Image 9.   1, Osso esfenoidal. 2, Lobo temporal. 3, Sulco lateral ou fissura de Sylvian. 4, Trato óptico. 5, Seio esfenoidal
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T2. Image 10.   1, Caverna de Meckel (caverna do trigêmeo). 2, Corno Temporal ( Ventrículo Lateral). 3, Sulco lateral ou fissura de Sylvian. 4, Ventrículo lateral. 5, Lobo temporal.
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T2. Image 11.   1, Mandíbula. 2, Ventrículo lateral. 3, Corno Temporal ( Ventrículo Lateral). 4, Nasofaringe.
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T2. Image 12.   1, Mandíbula. 2, Hippocampus. 3, Ventrículo lateral. 4, Corno Temporal ( Ventrículo Lateral). 5, Clivus.
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T1 .(without iv contrast media) Image 13.   1, Nasofaringe. 2, Seio esfenoidal 3, Artéria carótida interna. 4, Quiasma óptico. 5, Ventrículo lateral. 6, Artéria cerebral anterior. 7, Artéria cerebral média. 8, Lobo temporal.
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T1 (após a administração do contraste). Image 14.    1, Nasofaringe. 2, Seio esfenoidal 3, Artéria carótida interna. 4, Quiasma óptico. 5, Ventrículo lateral. 6, Artéria cerebral anterior. 7, Artéria cerebral média. 8, Lobo temporal.
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T1 .(without iv contrast media) Image 15.   1, Seio esfenoidal 2, Artéria carótida interna. 3, Artéria cerebral média. 4, Artéria cerebral anterior. 5, Septo pelúcido. 6, Quiasma óptico. 7, Glândula pituitária.
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T1 (após a administração do contraste). Image 16.    1, Seio esfenoidal 2, Artéria carótida interna. 3, Artéria cerebral média. 4, Artéria cerebral anterior. 5, Septo pelúcido. 6, Quiasma óptico. 7, Glândula pituitária.
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T1 .(without iv contrast media) Image 17.   1, Glândula pituitária. 2, Infudibulum. 3, Quiasma óptico. 4, Ventrículo lateral. 5, Artéria cerebral anterior. 6, Artéria cerebral média. 7, Seio esfenoidal.
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T1 (após a administração do contraste). Image 18.    1, Glândula pituitária. 2, Infudibulum. 3, Quiasma óptico. 4, Ventrículo lateral. 5, Artéria cerebral anterior. 6, Artéria cerebral média. 7, Seio esfenoidal
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T1 .(without iv contrast media) Image 19.   1, Nasofaringe. 2, Seio esfenoidal. 3, Glândula pituitária. 4, Trato óptico. 5, Ventrículo lateral.
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T1 (após a administração do contraste). Image 20.    1, Nasofaringe. 2, Seio esfenoidal. 3, Glândula pituitária. 4, Trato óptico. 5, Ventrículo lateral.
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T1 .(without iv contrast media) Image 21.   1, Nasofaringe. 2, Glândula pituitária. 3, Trato óptico. 4, Terceiro ventrículo. 5, Ventrículo lateral.
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T1 (após a administração do contraste). Image 22.   1, Nasofaringe. 2, Glândula pituitária. 3, Trato óptico. 4, Terceiro ventrículo. 5, Ventrículo lateral.
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte sagittal em T1 .(without iv contrast media) Image 23.   1, Lobo frontal. 2, Corpo caloso. 3, Ventrículo lateral. 4, Cerebelo. 5, Glândula pituitária. 6, Seio esfenoidal
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T1 (após a administração do contraste). Image 24.    1, Lobo frontal. 2, Corpo caloso. 3, Ventrículo lateral. 4, Cerebelo. 5, Glândula pituitária. 6, Seio esfenoidal
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte sagittal em T1 (without iv contrast media). Image 25.   1, Genu, corpo caloso. 2, Esplênio do corpo caloso. 3, Neurohypophysis. 4, Antehypophysis.
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T1 (após a administração do contraste). Image 26.    1, Genu, corpo caloso. 2, Esplênio do corpo caloso. 3, Neurohypophysis. 4, Antehypophysis.
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte sagittal em T1 (without iv contrast media). Image 27.   1, Ventrículo lateral. 2, Cerebelo. 3, Pons. 4, Neurohypophysis. 5, Antehypophysis.
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T1 (após a administração do contraste). Image 28.    1, Ventrículo lateral. 2, Cerebelo. 3, Pons. 4, Neurohypophysis. 5, Antehypophysis.
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte sagittal em T1 (without iv contrast media). Image 29.   1, Clivus. 2, Neurohypophysis. 3, Antehypophysis.
  • Ressonância magnética da hipófise: Corte coronal em T1 (após a administração do contraste). Image 30 of 30.    1, Clivus. 2, Neurohypophysis. 3, Antehypophysis.